EDITORIAL: O futuro do Brasil é uma cegueira seletiva